Quinta, 05. Abril 2018, Porto Alegre, 11ª Bienal de Artes Visuais do Mercosul

A partir de 05. Abril 2018 - 17:00 Até 20:00
Visualizar mapa
4077 Pessoas presentes
Descrição do evento
Em coletiva de imprensa realizada no dia 15 de dezembro de 2016, no MARGS – Museu de Arte do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre/RS, o presidente da instituição, Gilberto Schwartsmann, anunciou o nome do curador Alfons Hug como responsável pelo projeto curatorial da 11ª Bienal de Artes Visuais do Mercosul. A próxima edição também já tem data para acontecer: será realizada de 05 de abril a 04 de junho de 2018. O evento, que foi realizado pela última vez entre outubro de dezembro de 2015 pulará o ano de 2017 e será realizado durante o outono de 2018.

O crítico de arte e curador Alfons Hug será o responsável pelo projeto curatorial da 11ª edição e sua direção artística. Hug nasceu em Hochdorf, na Alemanha e estudou Linguística, Literatura Comparada e Cultura em Freiburg, Berlin, Dublin e Moscou. Atuou nas Bienais de Veneza, São Paulo, Curitiba, Montevideo, Dakar e na Bienal do Fim do Mundo (no sul da Argentina), bem como em uma série de projetos de grande envergadura cultural na Alemanha, Singapura e Índia. Dirigiu o Goethe Institut em Medellín, Brasília, Caracas, Rio de Janeiro e Moscou. Atualmente, dirige o Goethe Institut em Lagos, Nigéria. Seu projeto curatorial concebido para a Bienal do Mercosul denomina-se O Triângulo do Atlântico e fundamenta-se nas influências culturais dos três vértices históricos da América Latina – as matrizes europeia, americana e africana.

A Bienal de Artes Visuais do Mercosul – que tradicionalmente acontece nos anos ímpares – dessa vez será realizada em 2018. Isso se deve em decorrência da crise econômica brasileira – o que inviabilizou a realizaçã o da 11ª Bienal do Mercosul em 2017- e, também, porque espaços tradicionais de exibição, como o MARGS – Museu de Arte do Rio Grande do Sul e o Santander Cultural, já estão com suas agendas fechadas para ano que vem. “A despeito dos desafios decorrentes da conjuntura econômica do país, já estamos trabalhando na previsão orçamentária e no engajamento de empresas, parcerias e comunidade, para que ela aconteça em sua plenitude”, afirma o presidente da nova gestão, Gilberto Schwartsmann. O presidente também declarou que a 11ª Bienal vai trabalhar com um valor orçamentário inicial de R$ 3 Milhões: “um orçamento modesto, porém, realista. Se houver a confirmação de fundos extras no decorrer da captação de recursos, poderemos expandir alguns componentes da Bienal e ampliar o orçamento”, diz Schwartsmann.

Em princípio, a 11ª Bienal contará com três locais de exibição: MARGS, MAC/RS – Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul e Santander Cultural, além de algumas intervenções temporárias ainda não definidas nos espaços públicos do Centro da Capital Gaúcha.

11ª BIENAL
A 11ª Bienal do Mercosul, assim como as anteriores, terá um amplo programa educacional, envolvendo parcerias com universidades e demais instituições culturais. Uma área de grande interesse envolve estudos para uma completa versão digital da exibição. “Esta estratégia poderá trazer um novo olhar sobre a Bienal, com maior inclusão de indivíduos que normalmente não visitam a Bienal, mas que desejariam fazê-los. É um poderoso instrumento que dará capilaridade ao evento, permitindo que pessoas interessadas em arte – mas que vivem em regiões mais distantes – possam ter acesso à Bienal virtualmente. A ferramenta digital também vai gerar discussões temáticas sobre a incorporação de novas linguagens e meios de comunicação no mundo da arte”, declara o presidente.

Outro ponto dessa edição será o aprofundamento das discussões dos conteúdos programáticos da 11ª Bienal em áreas afins do conhecimento, como por exemplo, a criação de uma programação musical ou literário com base na temática O Triângulo do Atlântico e seus desdobramentos na música e na literatura contemporâneas. “Uma vez que um dos vértices do projeto é a contribuição artística do continente Africano à arte contemporânea, o tema ‘arte africana contemporânea’ será trabalhado em maior profundidade em seminários, palestras e debates”, explica Schwartsmann.

O programa visa também manter atividades culturais não apenas durante a Bienal, mas ao longo de todo o período de sua realização. A ideia é buscar provocar reflexões sobre a relação das Bienais com o ambiente onde ela é realizada. Como contar às pessoas o que a Bienal já fez ou o que tem incorporado à nossa paisagem e nosso cotidiano? A população reconhece as marcas da Bienal em Porto Alegre? Poderíamos criar um caminho das Bienais? A Bienal pode nos ajudar a contar a nossa história? A Bienal tem deixado marcas reconhecíveis do que somos? Quais os referenciais estéticos que Porto Alegre nos oferece? A Bienal pode nos ajudar a identificar estes elementos? Qual a nossa relação com os demais países do Mercosul? Estes temas poderão ser abordados em discussões, palestras e seminários ligados à Bienal.


Mostrar mais
Para Schwartsmann, a 11ª edição da Bienal do Mercosul deve buscar contemplar o público em toda a sua diversidade. “Traremos à discussão um olhar sobre as várias Bienais que convivem em cada Bienal. A Bien al dos artistas visuais e do mundo da arte; a Bienal dos que não possuem formação específica em arte, mas a amam e se comovem com ela; e, por fim, a Bienal dos que tem pouco ou nenhum acesso formal à arte, mas que merecem desfrutá-la tanto quanto os demais. A função da Bienal será a de aproximar esse público da vivência artística e estética, pois a educação e a cultura são os mais eficientes instrumentos de redução de desigualdades e recuperação da dignidade e autoestima”, declara.

NOVA DIRETORIA
Gilberto Schwartsmann, Presidente da 11ª Bienal de Artes Visuais do Mercosul, é Professor Titular da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Chefe do Serviço de Oncologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Possui uma vasta experiência internacional, com pós-graduação no Reino Unido, Países Baixos e Estados Unidos, inclusive tendo dirigido a Organização Europeia para a Pesquisa e Tratamento do Câncer. É membro da Academia Nacional de Medicina e Vice-Presidente da Academia Sul-Rio-Grandense de Medicina. Foi Diretor da Biblioteca da Academia Nacional de Medicina. Foi Vice-Presidente da 10ª Bienal do Mercosul. Foi membro do Conselho Universitário da UFRGS. É membro do Conselho Fiscal da Fundação Iberê Camargo e um dos patronos da Orquestra de Câmara do Teatro São Pedro.

A Diretoria da 11ª Bienal está composta por diretores com grande experiência em Bienais anteriores, como Mathias Kisslinger Rodrigues (Diretor Administrativo-Financeiro), André Jobim de Azevedo (Diretor Jurídico), Arthur Bender (Diretor de Comunicação e Marketing) e Eduardo Brunelli (Diretor de Espaços Físicos). Dentre os novos diretores a serem submetidos à deliberação do Conselho em sua próxima reunião, incluem-se: o empresário Sergio Maia (dirigente da ABVD-RS) – para o cargo de Vice-Presidente, , Maria Lucia Kern (Professora de História da Arte da PUCRS); José Rivair Macedo (Professor do Curso de Pós-Graduação em História da PUCRS); o arquiteto Mario Englert; a jornalista Claudia Laitano; o leiloeiro oficial José Luis Santayana e o artista plástico Carlos de Britto Velho.

11ª Bienal de Artes Visuais do Mercosul, Porto Alegre evento

Encontre eventos mais interessantes
Obtenha recomendações de eventos com base em seu gosto Facebook. Apenas clique, é isso!Mostre-me os eventos adequados para mimAgora não